Santa Verônica Giuliani: "Eu me propus ir sempre contra a corrente"

Santa Verônica Giuliani: “Eu me propus ir sempre contra a corrente”Com seu zelo, baseado no agere contra, o mosteiro sob seu governo floresceu e nele brilhavam as virtudes e multiplicavam-se os milagres

Por Roberto Alves Leite

— “Enquanto se rezava a Missa, vi são Francisco Xavier com uma cruz. Este me deu a conhecer que ela significava o cargo de Abadessa e que seria colocada sobre meus ombros.

— “Estais louca? replicou o confessor. Abadessa, uma tonta como vós? Governar um mosteiro, se não sois capaz nem de governar as galinhas? São extravagâncias que vos passam pela cabeça”.

Quem seria essa religiosa, de quem o confessor teria, pelo menos na aparência, um conceito tão desfavorável?

Nascida em Mercatello (Itália) — localidade distante 18 milhas de Città di Castello –, ainda dentro dos imponderáveis natalinos, no dia 27 de dezembro de 1660, Úrsula Giuliani, manteve sempre dentro de si o grande significado da festa máxima da Cristandade: a alegria pelo nascimento dAquele que seria crucificado para redimir os homens.

Essa filha do casal Francisco Giuliani e Benta Mancini, desde a mais tenra idade, osculava as imagens de Nossa Senhora e do Menino Jesus. E quando sua mãe e as irmãs comungavam, não conseguia afastar-se delas para estar perto de Nosso Senhor. No dia de sua Primeira Comunhão confessa que sentia um calor tão grande que a inflamava inteira, especialmente o coração.

Isso não a impedia de levar uma vida como as demais crianças de sua idade, e até em condições de luxo, com servidores e domésticos, em vista da boa situação social e econômica de seu pai, que era Duque.

Porém, nem os presentes e o carinho que aquele lhe devotava, pois a tinha por filha predileta, nem o prazer que sentia naquela vida agradável e sem problemas, impediram que aos 15 anos pedisse a Jesus que lhe desse Seu Coração para ser a morada de sua alma, e Suas penas para viver crucificada como Ele.

Na via de um profundo desprendimento

Em 1677, aos 16 anos de idade, tornou-se religiosa, entrando como noviça no convento de freiras clarissas em Città di Castello, tomando o nome de Verônica. Ela confessa que, em vista de suas apetências naturais para uma vida confortável, todas as coisas no convento se lhe tornavam difíceis. E como não sabia qual a origem dessas dificuldades, percebendo que elas se opunham à sua vocação, decidiu adotar o grande princípio de vida espiritual, o agere contra, e fazer sempre o contrário do que suas apetências naturais pediam: “Eu me propus ir sempre contra a corrente, tanto em matéria de alimentação, como no vestuário e em todas as ações”.

Quando ela pensava que devia agir sempre por amor de Deus, tudo tomava sentido. Jesus crucificado deveria ser seu livro e seu guia:

“O lado humano chorava e o espiritual se alegrava no meio das cruzes. Algumas vezes, devido às rebeliões da natureza humana, ficava dias sem saber o que fazia: o hábito, as paredes, tudo que via causavam-me melancolia. Para vencer-me, osculava as paredes, o hábito e tudo aquilo pelo que sentia aversão”.

A fidelidade ao agere contra a levou a repudiar sua própria vontade para poder fazer somente o que Deus queria. “Tu nada és e nada fazes”, disse-lhe Ele; “desprenda-te de tudo em tudo e então experimentarás os efeitos da minha graça divina”.

Sendo fiel à especial vocação para qual Nosso Senhor a chamava, chegou a receber os estigmas da Paixão e a Coroa de Espinhos.

Diante da calúnia de estar possessa pelo demônio: paz de alma

No caminho do sofrimento, Verônica percebeu que as cruzes, as tentações, as desolações, os abandonos e todas as contrariedades constituem a porta e a luz que conduzem a Deus. Incendiada pelo amor à cruz, sentiu desejo ardente de salvar a todos. Fazer penitência para a conversão das almas passou a ser seu lema.

Quantas vezes sentiu tentações contra a fé, quanto tempo passou na aridez e na desolação! Quantas vezes chamou por Nosso Senhor e não ouviu Sua resposta! Mas uma aspiração permanecia constante em sua alma: o desejo de salvar os pecadores custasse o que custasse.

Assim, recebeu acusações, por parte de Irmãs malevolentes e caluniadoras, de estar possessa pelo demônio. E outras, menos furiosas, diziam que seus “estados anormais” (leia-se fenômenos místicos com que era favorecida a Santa) vinham de seu desejo de se fazer notar. Apesar das perseguições que sofria em seu convento, diretamente do demônio ou de suas irmãs de hábito, mantinha-se inalterável na paz interior própria a quem estava abrasada pelo amor de Deus.

Almas que sofrem jovens isolados, mães desoladas, honestos profissionais dos mais diversos ramos perseguidos ouçam o conselho de Verônica: para entender o que é o amor de Deus é necessário passar longamente sob a prensa do sofrimento. Pedi a mediação dela a fim de obterem as forças necessárias para suportar cristãmente todas as adversidades que a Providência permite que sejam enviadas, com vistas a nosso próprio proveito espiritual.

Domínio perfeito do caráter colérico

Verônica foi eleita abadessa em 5 de abril de 1716, aos 56 anos de idade e 40 de vida religiosa, por unanimidade. Sinal de que mesmo suas adversárias no convento a consideravam perfeitamente digna e capaz de ocupar o elevado cargo.

Mandou então colocar uma imagem de Nossa Senhora sobre o trono abacial, apresentando-A como a nova abadessa: “Sois Vós a abadessa; seguirei Vossas ordens”, declarou. Deste modo deu prosseguimento a um hábito que lhe era familiar desde a mais tenra idade: voltar-se para Maria.

Nossa Senhora — que era a Abadessa de fato — aconselhou-a que governasse com amor e pelo amor, mas sem amor próprio e respeito humano. E que tivesse a regra na mão para ver tudo; no coração para penetrar tudo e impressa em si mesma para que fosse observada por todas.

Viveu com temor e tremor de que o cargo resultasse na perdição de sua alma. No entanto, segundo um testemunho, era a abadessa ideal, capaz de pôr ordem no mundo inteiro. Tinha essa arte dificílima de se fazer amar e, ao mesmo tempo, incutir um temor filial. Considerava-se mãe amorosa, tratando a todos com a mesma afabilidade, cortesia e benquerença.

Embora se dissesse ter caráter colérico, exercia um tal domínio sobre si que isto nunca transparecia. Quando admoestava, corrigia ou dava penitência, jamais irritava as religiosas sobre quem recaíam suas advertências, pois todas sabiam que era para seu próprio bem e faziam prontamente qualquer coisa que mandasse. Com esta atitude conseguiu erradicar a mania que algumas tinham de procurar informar-se de tudo o que se passava fora, levando os assuntos mundanos para as conversas internas, com grave prejuízo para a seriedade que deveria reinar no convento.

O mosteiro floresceu e tornou-se um espelho de todas as virtudes. E com a virtude reinava a união e a paz. Verônica era o sol radiante, a chama que não se apaga, o Anjo que conduz ao Paraíso.

Penetração dos corações e milagres em vida

Verônica penetrava no interior das almas; via suas aflições, seus pensamentos, as graças de que necessitavam.

Certa vez, em meio a uma reunião com as noviças, levantou-se de repente e saiu correndo rumo à cela de uma religiosa. Esta última, talvez por desequilíbrio mental, havia chegado a agredir Verônica pouco tempo antes. Ao chegar à cela, abriu com dificuldade a porta e encontrou a religiosa fora de si, desvairada, querendo matar-se. Verônica a consola, fala de Deus, do inferno, e acaba por devolver a calma a um coração agitado pelo remorso e pelo desespero.

A par do conhecimento das almas, tinha ela também o dom dos milagres, havendo realizado muitos ainda em vida.

Certo dia, um incêndio ameaçava destruir toda a igreja. Verônica, desde o coro, invoca Nossa Senhora e, fazendo um sinal da cruz, faz cessar imediatamente o perigo.

Em outra ocasião, um número incalculável de bichinhos roíam as raízes das hortaliças. Por ordem do confessor, Verônica fez um grande sinal da cruz e todos vieram à superfície. “Ide ao galinheiro”, ordenou a santa e todos para lá se dirigiram a alimentar as galinhas, que tiveram nesse dia uma lauta refeição. Foi uma cena de fazer arrepiar muitos partidários da ecologia festiva.

Multiplicou muitas vezes alimentos como queijo, ovos, azeite, frutas e peixe quando eram insuficientes para a pobre mesa do claustro.

Ela mesma declara que todos os dias presenciava milagres da santa obediência. E os via realizados em si mesma, tantas foram as curas inexplicáveis que teve de muitas dores e doenças.

Um crucifixo a chamava para aconselhá-la

Nossa Senhora a chamava de “coração de meu coração; alma de minha alma”. Ela lhe aparecia, abraçava, dava conselhos, confortava, andava com a fisionomia de Verônica no meio das religiosas, e lhe prometia uma proteção contínua na vida e na morte.

No Santo Natal, a imagem do Menino Jesus, em seus braços, tomava forma humama. Um crucifixo do mosteiro a chamava para dar conselhos. Os Santos, os Anjos a visitavam. Numa das renovações da profissão dos votos, que fazia uma ou mais vezes ao ano, foi assistida pela Virgem Maria, Santa Clara, São Francisco, São Felipe Neri.

Pediu ao confessor licença para morrer…

Um ano antes de sua morte, como acontecera durante quase toda a vida, conta que estava na obscuridade de espírito, nas trevas e em um mar de tentações, mas sempre obedecendo a Deus.

O despojamento de sua vontade, substituída pela de Deus a levou a ser obediente até para morrer, pedindo permissão ao confessor para passar para a outra vida; obtido o consentimento, no mesmo instante voou para a eternidade. Isto ocorreu em 9 de julho de 1727, no convento onde era abadessa, em Città di Castello.

A notícia de sua morte se espalhou sem que se soubesse como, e uma multidão de damas, nobres, cavaleiros e pessoas do povo dirigiu-se ao mosteiro.

Encontrando-o fechado, golpearam a porta gritando: “Queremos ver a nossa Santa! Abri!”

Tomadas algumas precauções, o Bispo mandou colocar o corpo na porta da igreja, mas foi tal a desordem causada pelo desejo de tocar, conseguir uma relíquia, ou pelo menos olhar pela última vez aquela que foi a mãe querida, a irmã insubstituível, a grande protetora de todos, que o Prelado mandou fechar a porta e enterrar logo o corpo.

Os benefícios de sua virtude e a fama de sua santidade espalharam-se por toda a península italiana. Reis, Príncipes e grandes da Terra pediam sua intercessão junto a Deus para atender suas necessidades ou as de seus súditos.

Monges, sacerdotes e leigos, atingidos por doenças incuráveis em fase terminal, recuperaram instantaneamente a saúde ao simples contacto de uma relíquia sua, ou por ter implorado sua ajuda.

Vinte milagres foram arrolados nos processos diocesano e apostólico para sua canonização, a qual se deu mais de cem anos após sua morte.

Pio VII beatificou-a, na presença da Arquiduquesa Maria da Áustria e do Rei Carlos Emanuel da Sardenha, no dia 7 de junho de 1802. E Gregório XVI canonizou-a solenemente em 29 de maio de 1839, festa da Santíssima Trindade.
______________________
Fontes de Referências:
Raffaello Cioni, S. Veronica Giuliani, Libreria Editrice Fiorentina, Florença, 1951.
Sancta Veronica Giuliani, Vitae spiritualis magistra et exemplar tertio ab eius nativitate exeunte saeculo (1660-1960), Institutum Historicum Ord. Fr. Min. Cap., Romae, 1961.
Ctesse. M. de Villermont, Sainte Véronique Giuliani, Librairie Générale Catholique, Maison Saint-Roch, Paris-Couvin, Bélgica, 1910.
Cadastre seu email para receber atualizações gratuitas desta página:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: