Rita de Cássia, a santa dos impossíveis

Santa Rita de Cássia

Rita de Cássia, a santa dos impossíveis
O exemplo de sua vida mostra que, quando uma alma se assemelha a Nosso Senhor Jesus Cristo no sacrifício heróico, as multidões correm até ela, movidas por irresistível atração

Por Luís Carlos Azevedo
Nasceu Santa Rita (1377-1457) no povoado de Rocca Porena, região de Cássia, Província de Perúgia, nos Montes Apeninos, na Itália.

Aspirações contrariadas

Desde sua infância, Santa Rita anelava uma vida consagrada a Deus. O mosteiro das agostinianas em Cássia a atraía especialmente.

Porém, aos 18 anos de idade, seus pais a destinaram ao matrimônio.

Casaram-na com um tal Ferdinando, jovem violento e de mau gênio, de quem Rita teve gêmeos: Tiago Antonio e Paulo Maria.

O marido da Santa fez muitos inimigos na região, por causa de seu caráter impulsivo. Ao se sentir ofendido, procurava vingar-se. Quando não podia alcançar seus objetivos, desabava seu furor sobre a esposa.

Aos poucos, entretanto, Ferdinando começou a refletir e a admirar a incomparável paciência de Santa Rita e teve vergonha de si próprio. Quando sentia que lhe sobrevinha a cólera, saía de casa e só retomava após recobrar a calma.

Afinal, certo dia, ajoelhou-se diante da esposa e cobrindo suas mãos de ósculos e lágrimas, disse compungido: “Perdoa-me, Rita, fui indigno de ti, mas tudo terminou. Tua imensa bondade conquistou-me”.

A conversão do próprio marido foi o primeiro grande impossível obtido pela Santa.

Novas angústias

Toda a povoação, aliviada, percebeu a pacificação daquele desordeiro. Contudo, nem todos haviam esquecido as violentas rixas causadas por Ferdinando: houve quem quisesse agora vingar-se.

Assim, voltando uma noite de Cássia, ele foi impiedosamente assassinado por inimigos.

Os gêmeos possuíam a natureza orgulhosa e iracunda do pai e foram provavelmente excitados à vingança.

A Santa percebeu que ambos os filhos não mais a escutavam e que a voz do sangue os haveria de arrastar ao mal. E então pediu a Deus que os levasse inocentes, se fosse humanamente impossível evitar que se tomassem criminosos.

Não levou tempo, os garotos caíram doentes e morreram, com pequeno intervalo de tempo, um após o outro.

Havendo perdido pais, esposo e filhos, Santa Rita, aos 30 anos de idade, estava sem entraves para realizar a grande vocação que acalentara desde a infância: tomar-se Sponsa Christi.

Mais um impossível que se realiza…

Aparições dos protetores celestes

Sob motivos vários, as religiosas recusaram a admissão de Santa Rita que teve que esperar dez longos anos… tendo recorrido a preces, mortificações e boas obras.

Quando Deus a viu perfeitamente resignada, teve compaixão e uma noite em que rezava, ouviu uma voz: “Rita! Rita!”.

Ao abrir a porta deparou-se com três homens de venerável aspecto. Santa Rita logo os reconheceu: São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolau de Tolentino, que se puseram a caminho.

Em êxtase, acompanhou-os e em instantes pararam diante da vetusta porta do convento de Santa Maria Madalena, em Cássia. Os três santos fizeram-na atravessar incólume as grossas paredes de pedra do mosteiro…

Ao alvorecer, as monjas desceram para se reunir na capela: estupefatas ali encontraram aquela viúva tão insistentemente recusada!

Com a maior simplicidade, Rita narrou-lhes o que sucedera e, diante deste inegável milagre, foi admitida no convento.

Mais um impossível realizado…

Os estigmas

Santa Rita sempre teve especial devoção em meditar sobre a Paixão de Nosso Senhor.

Em certa oportunidade veio pregar a Quaresma em Cássia São Tiago della Marca, íntimo amigo de São Bernardino de Siena e de São João Capistrano. (Que tempos aqueles… que abundância de santos!).

O sermão que fizera a respeito da Paixão foi particularmente eficaz na alma de Santa Rita. Prostrou-se diante de um Crucifixo e suplicou ardentemente que lhe fosse concedida a graça de participar de Suas dores em expiação pelos pecados do mundo.

Eis que um espinho, destacado da coroa do Crucificado, penetrou tão profundamente em sua fronte que a fez cair desmaiada e quase agonizante.

Enquanto estigmas de outros santos, como São Francisco de Assis tinham a cor do sangue puro e não eram repugnantes, o de Santa Rita converteu-se numa ferida repelente e fétida sobre a qual nenhum remédio fazia efeito. Desta maneira, ela se viu obrigada a permanecer, durante quinze anos, em cela afastada, onde recebia o estritamente necessário para viver.

Últimos anos de vida

O passar dos anos, as dores, os jejuns e as penitências, não tardaram a consumir as forças da Santa, que passou no leito os quatro últimos anos de sua existência.

Em pleno inverno, uma parenta veio visitá-la. Antes de partir, perguntou-lhe se desejava alguma coisa. ––Sim, respondeu a Santa –– queria que me trouxesse uma magnífica rosa que está no meu antigo jardim (em Rocca Porena). A parente pensou que Rita já delirasse, mas, concordou para não a entristecer.

E qual não foi sua surpresa quando, entrando no antigo jardim da Santa, viu resplandecente rosa no arbusto de folhagem contraída pela geada. Colheu-a e logo retomou ao convento. Santa Rita disse-lhe então: “Já que fostes tão amável em me trazer a rosa, queria que colhesse agora os figos frescos que estão na figueira do meu jardim…” Desta vez ela não duvidou e tendo encontrado os figos, levou-os à Santa dos impossíveis.

“Em três dias estarás comigo no Céu”

Num dos últimos dias de vida, eis que brilhante luz iluminou sua cela e Nosso Senhor e Nossa Senhora lhe apareceram. Santa Rita, arrebatada em êxtase, exclamou:

“Quando enfim, ó Jesus, poderei possuir-Vos para sempre? Quando poderei estar na Vossa presença?” “Em breve – respondeu o Redentor ––mas não ainda”. “Quando?” Replicou a Santa. “Em três dias estarás comigo no Céu”.

A 22 de maio de 1457 sua bela alma voava para o Paraíso celeste.

Apenas a Santa exalara o último suspiro, o sino do mosteiro, soou três vezes por mãos de anjos, pois ninguém os tocara, anunciando sua morte.

Tomadas de espanto todas monjas acorreram imediatamente à sua cela. Estavam decididas a suportar o repugnante odor do ferimento. Mas qual não foi a admiração geral quando perceberam que do corpo de Santa Rita se desprendia inefável perfume. A ferida encontrava-se inteiramente cicatrizada e sua face resplandecente apresentava sorriso indescritível.

A irmã Catarina Mancini, paralítica de um braço, ficou tão impressionada que quis abraçá-la, e o fez sem dificuldade, pois acabava de ser curada pela Santa…

O corpo foi logo transladado para um oratório público, a fim de ser venerado pelo povo de Cássia e arredores que acorreu em número e fervor crescentes.

Situação do corpo

Santa Rita, por singular privilégio, nunca foi sepultada, e até hoje não se consumou para ela a sentença que toca a todos os filhos de Adão: “Tu és pó e em pó te hás de tornar” …

Seu corpo incorrupto, revestido com o hábito monástico da ordem de Santo Agostinho, não se mumificou e nem enegreceu, mas está como o de uma pessoa que acaba de falecer. Mais ainda, a carne é branca, sem corrupção e toda a face muito bem disposta. Da mesma maneira estão alvas e intactas as mãos, com dedos e unhas.

Igualmente não se pode explicar o suave perfume que, de tempos em tempos, se exala de seu corpo.

O fato mais maravilhoso que sucede com o corpo da Santa é que, de vez em quando, ele se move. O que foi constatado repetidas vezes desde 1629 até 1899. Ora ela abre os olhos, ora volta a cabeça para o povo, move os pés, as mãos etc.

As graças concedidas por Deus pela intercessão de Santa Rita de Cássia, canonizada pelo Papa Leão XIII, em 1900, são inumeráveis e contínuas.

A Santa dos impossíveis obtém conversões estupendas e curas prodigiosas. Antes mesmo dos decretos da Igreja, Rita de Cássia foi canonizada pela voz do povo fiel!

_________________________
OBRAS DE REFERÊNCIA
L. de Marchi, Santa Rita de Cássia, Edições Paulinas, São Paulo, 1979, 15ª edição.
2. Agostinho Trapè, Santa Rita e sua mensagem, Paulinas, São Paulo, 1993.
Cadastre seu email para receber atualizações gratuitas deste blog

 

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: