A concepção medieval da arte

Notre Dame de Paris

A concepção medieval da arte
A Idade Média concebeu a arte como um ensinamento. Tudo o que era necessário ao homem conhecer a História do mundo desde a Criação, os dogmas da Religião, os exemplos dos santos, a hierarquia das virtudes, a variedade das ciências, das artes e das profissões lhe estava ensinado pelos vitrais da igreja ou pelas estátuas dos pórticos.
A catedral mereceu ser conhecida por este nome tocante: “A Bíblia dos pobres”. Os simples, os ignorantes, todos aqueles que constituíam “o povo santo de Deus”, aprendiam pelos olhos quase tudo que sabiam de sua Fé.

Aquelas grandes imagens, tão religiosas, pareciam testemunhar a verdade daquilo que a Igreja ensinava. As inumeráveis estátuas, dispostas segundo um plano sapiencial, eram uma imagem da ordem maravilhosa que São Tomás fez reinar no mundo das idéias. Graças à arte, as mais altas concepções da teologia e da ciência chegavam difusamente até as inteligências mais humildes.

Mas o senso dessas obras profundas se obscureceu. As novas gerações, que trazem consigo uma outra filosofia do mundo, não as compreendem mais. Depois do século XVI, a arte da Idade Média tornou-se um enigma. O simbolismo, que foi a alma de nossa arte religiosa, está a ponto de morrer.

Estudar a arte da Idade Média como se faz algumas vezes, sem se reportar ao espírito e preocupando-se unicamente com o progresso da técnica, é equivocar-se, é confundir as épocas. Nossos antigos escultores não tinham da arte a mesma idéia que um Benvenuto Cellini. Não pensavam que a escolha de um tema fosse indiferente. Não imaginavam uma estátua como um agradável arabesco, destinado a dar aos olhos um momento de volúpia.

Na Idade Média, toda forma era a vestimenta de um pensamento. Dir-se-ia que o pensamento entrava dentro da matéria e a configurava. A forma não se podia separar da idéia que a criou e que a animava. Uma obra do século XIII, mesmo quando sua execução é insuficiente, nos interessa: nós ali sentimos alguma coisa que se assemelha a uma alma.

(Emile Mâle, “L’Art Religieux du XIII Siècle en France” – Armand Colin, 1958, p. 11)
Cadastre seu email para receber as atualizações deste blog

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: